Buscar
  • pedroamaral34

Formação Pastoral na Igreja Local – Argumento Prático

Por Jeremiah Davidson


Nesse texto, argumento que a formação pastoral com base na igreja oferece um acolhimento com benefícios práticos. Examinaremos a igreja como um contexto efetivo para a formação. Em seguida, a questão do sustento financeiro será discutida.

Por que os médicos passam por uma residência antes de se formarem? É na residência que o conhecimento teórico é aplicado de maneira prática sob a supervisão de médicos mais experientes. O peso da responsabilidade de vidas humanas é primeiramente compartilhado e, depois, gradualmente deixado nas mãos de novos médicos.

Uma vez que o cuidado do corpo requer uma residência, quanto mais requer o cuidado da alma? Sem dúvidas os riscos são ainda maiores. Quase todo pastor poderia compartilhar momentos iniciais de seu ministério em que a inexperiência causou alguma forma de estrago nas vidas daqueles sob seus cuidados espirituais, variando do engraçado para o devastador. Muitos pastores nunca experienciaram em seu treinamento o privilégio do compartilhamento da responsabilidade por almas sob a orientação de pastores mais experientes. Para aqueles que puderam experimentar, a mentoria que receberam com certeza enriqueceu suas próprias contribuições pastorais, através do acúmulo da experiência e do conhecimento do mentor, ao mesmo tempo que aliviou a pressão de tomar decisões importantes sozinhos. Uma residência pastoral dinâmica como essa só pode ocorrer dentro de um contexto de uma igreja local.

Até mesmo estudos teológicos formais tornam-se mais práticos quando o aluno está ativamente engajado no ministério. Ocorre uma percepção imediata do valor relativo à informação recebida. Menos tempo é usado em debates não práticos. Todo o conhecimento é orientado em volta da tarefa de pastorear o rebanho de Deus. Os alunos também desfrutam de uma maior motivação nos estudos, uma vez que conseguem discernir a relevância prática do que está sendo ensinado. Sendo assim, absorvem mais e ficam mais aptos a se engajar criticamente ao conteúdo.

Bernard Ott, em seu artigo "Understanding and Developing Theological Education" (Entendendo e Desenvolvendo a Educação Teológica[1] apresenta um quadro para refletir holisticamente na tarefa de educar. Enquanto Ott não defende uma visão aristotélica de educação, ele faz uso de três categorias importantes definidas por Aristóteles: 1. Theoria (pensamento, reflexão e meditação com a finalidade de chegar à verdade), 2. Poiesis (o feitio e produção de coisas) e 3. Praxis (O estilo de vida, sua sabedoria e virtude). Não é difícil ver como essas categorias podem ser aplicadas à educação teológica e, mais especificamente, à formação pastoral. Theoria aplica-se ao aprendizado do conhecimento em relação ao que é verdade sobre Deus e Sua Palavra, e todas as áreas de conhecimento relevantes para o pastor em formação. Praxis tem uma correlação clara com o discipulado e crescimento na santificação e sabedoria. Poiesis diz respeito a habilidades relacionadas a tarefas específicas do ministério como pregação, exegese, aconselhamento, administração, etc. Ao escolhermos um contexto para a formação pastoral em que todas essas três áreas podem ser integradas holisticamente, a igreja local é a escolha clara.

Um modelo baseado na igreja também é mais replicável e sustentável, especialmente quando considerado o mundo em desenvolvimento. Teoricamente, uma formação baseada na igreja não é restrita a nenhuma cultura, geografia, economia ou contexto histórico específico. Seminários institucionais são um luxo em relação aos termos da igreja global. Dependem de, no mínimo, centenas de milhares de reais anualmente. Requerem construções relativamente grandes. Como instituições de ensino superior, os governos locais devem tolerar suas operações contínuas. No entanto, a formação pastoral na igreja local pode ocorrer em locais de perseguição - além de locais em que a igreja está começando a se firmar. Bons modelos de formações pastorais na igreja local podem promover excelência, até mesmo nos contextos mais difíceis.

Em média, excelência em um treinamento pastoral custará muito menos na igreja local do que em um seminário institucional. Isto, principalmente, devido à otimização de recursos já existentes.

O recurso mais caro para o treinamento pastoral é o recurso humano. No entanto, se uma igreja já oferece o suporte para seus pastores, parte do tempo pastoral pode ser investido na formação de outros pastores sem mais investimentos financeiros, especialmente quando as igrejas capturam a visão de que a formação de novos líderes é uma parte fundamental da função pastoral. Teólogos e professores talentosos podem ser contratados para dar aulas específicas, a um custo muito abaixo do que contratar professores de tempo integral.

O segundo recurso mais caro em um treinamento pastoral são os prédios em que o treinamento acontece. Uma vez que a igreja local normalmente tem espaços para propósitos educacionais, não há a necessidade de alugar ou construir prédios caros. O custo da manutenção do local também já faz parte do orçamento da igreja local. A estrutura física padrão pode variar, mas, em geral, o mesmo espaço usado para o ensino da igreja pode ser utilizado para ensinar pastores em formação.

Claro, nenhuma igreja local deveria assumir que pode embarcar em um programa formal de treinamento pastoral sem nenhum investimento significativo de tempo e dinheiro. No entanto, quando consideramos o retorno do investimento, fica claro que a igreja local é capaz de fazer muito mais por muito menos.

¹[1] Ott, Bernhard "Understanding and Developing Theological Education" (Entendendo e Desenvolvendo a Educação Teológica) biblioteca Langham Global, Carlisle, UK, 2013 199-268

Posts recentes

Ver tudo